Uma Faca nos Dentes | INTRO | Recensão de Paulo Ribeiro da Silva

«Dono de uma voz poética imediatamente reconhecível, o poder da imagética e simbolismo que reproduz em cada composição é único (a rosa omnipresente, a revolução latente, a decomposição/decadência inevitável de corpos e ideais, a “flor na boca” da pureza), associado a fortes ritmos aliterativos, emulando urgência e até raiva e impaciência perante o constante adiamento do cumprimento da(s) promessa(s) sucessivas de um futuro radioso.»

Para ler aqui.


Partilhar esta publicação


← - + →