• €15.00

Subiu a escadaria. Arrancou os dentes, cauterizou as gengivas com um maçarico, entrou. Achou os querubins e os vitrais irrelevantes. Ao fundo, percebeu uma cabine de confissão. Fez sinal ao padre, igual a Clark Gable. Lá dentro, falou até a garganta sangrar.

Ferro em Brasa é um linguadão dos antigos, pré-pandemia, nas beiças de Alfred Jarry. É uma flauta de negaça. É tudo o que Homero e Camões teriam escrito se tivessem menos génio e uma Famel. Urdido com candura rupestre por dedos de panarícios maculados, poder-se-á dizer que narra a quase-odisseia de um fumador de barras de dinamite, a relação incestuosa que manteve com a onda de Hokusai e o seu papel químico no trágico destino de mil Sósias-Simétricos em letra de corpo oito. Poder-se-á também dizer o avesso disto, sem que daí venha mal ao mundo além de azulejos rachados, ardósias garatujadas com os pratos do dia, o cumprimento de horários, uma telefonia desligada, a frescura de um crime ocasional, feridas saradas, despedidas voluntárias, guardanapos manchados. Terrorismo literário de dois partisans tresloucados, Ferro em Brasa é uma sinfonia absurdamente contemporânea, um texto rigorosamente desorganizado, um híbrido palimpséstico, referencial e auto-referencial, popular e erudito, gracioso e soez. Deixa-se ler muito bem.

  • ILUSTRAÇÃO DA CAPA Gonçalo Duarte
  • 1.ª EDIÇÃO 2021
  • PÁGINAS 176
  • ISBN 978-972-608-382-5


Também recomendamos