O 1.º de Maio em Portugal (1890-1990)

Carlos da Fonseca

  • €0.00

Sobrevivendo às divisões e rivalidades das antigas vanguardas operárias, resistindo depois às pressões altamente mortíferas do salazarismo, o «Dia da Classe Operária» chegou aos nossos dias para conhecer, enfim, a apoteose no 1.º de Maio de 1974.

Desta jornada memorável em diante parece ter-se iniciado, também entre nós, a sua irremediável decadência. Com a institucionalização (feriado nacional), a legalização das oito horas de trabalho, a deslocação da classe operária para os países de Terceiro Mundo e as rivalidades político-sindicais que em 1975 deram ao público um espectáculo desolador, parece vislumbrar-se o fim próximo de uma tradição. A menos que se trate do despontar de uma nova era...

 

  • 1.ª edição 1990
  • páginas 186
  • isbn 972-608-037-1

imprensa