Um Sétimo Homem

John Berger

  • €16.20

Os trabalhadores migrantes são imortais: imortais porque continuamente substituíveis. Não nasceram: não foram criados: não envelhecem: não se cansam: não morrem. Têm uma só função – trabalhar.

«Pode acontecer que um livro, em contraste com os seus autores, rejuvenesça à medida que os anos passam.»
 Disse-o John Berger sobre Um Sétimo Homem (1975), ensaio poético em imagens e palavras, estarrecedor retrato
 da experiência de trabalhadores migrantes na Europa dos
 anos 70 – e financiado com parte do que lhe rendeu o Prémio Booker (terá dado o restante ao ramo britânico dos Panteras Negras). Feito em colaboração com o fotógrafo Jean Mohr, este verdadeiro álbum de família (em que fotografias de casamentos, primogénitos e velas de aniversário são substituídas pela coragem da partida, o choque da chegada e a nostalgia do regresso) capta as mutações no corpo e no espírito de personagens sem rosto nem nome, portugueses, sicilianos, gregos e turcos, mercadoria viva em terras alienígenas. Com um equilíbrio notável entre teoria e experiência, entre política e poesia, John Berger narra os instantes desta diáspora como metáfora perfeita das dinâmicas do «desenvolvimento» e contradições do neoliberalismo – no que é hoje uma desarmante resposta à retórica anti-imigração.

//

Jean Mohr (1925-2018) foi um apaixonado fotógrafo suíço que dedicou grande parte da sua vida a documentar o tormento de migrantes e refugiados para organizações como a Cruz Vermelha ou o Comissariado da ONU para os Refugiados. Amigo e colaborador de John Berger (A Fortunate Man, 1967; Another Way of Telling, 1982; At the Edge of the World, 1999), resumia o seu trabalho como uma missão empática de «construir pontes entre comunidades».

  • TÍTULO ORIGINAL A Seventh Man
  • TEXTO John Berger
  • FOTOGRAFIAS Jean Mohr
  • TRADUÇÃO E POSFÁCIO Jorge Leandro Rosa
  • 1.ª EDIÇÃO 2019
  • PÁGINAS 256
  • ISBN 978‑972‑608-332-0

imprensa