Adolfo Bioy Casares

Adolfo Bioy Casares nasceu em Buenos Aires, no dia cinco de Setembro de 1914. Após sucessivas tentativas em Direito e em Filosofia e Letras, abandonou os estudos para se dedicar completamente à literatura. Em 1932, conheceu Jorge Luis Borges, com quem iniciaria uma longa relação de amizade e cooperação. Depois de alguns volumes de contos, publicou em 1940 o seu primeiro romance, A Invenção de Morel, e, em colaboração com a esposa, Silvina Ocampo, e com Borges, uma Antologia da Literatura Fantástica. Bom conhecedor da literatura policial, dirigiu durante largos anos a prestigiada colecção «El séptimo círculo», em conjunto com Borges. A obra de Bioy Casares destaca-se no cenário da literatura latino-americana pelas incursões no género da mais pura estirpe fantástica, ao qual adiciona, de forma absolutamente incomparável, a ironia e a ternura. No conjunto da produção literária deste criador de inesquecíveis narrações, como «La trama celeste» ou «El gran Serafín», sobressaem igualmente romances como Plano de Evasão (1945), El Sueño de los héroes (1954) e Diario de la Guerra del Cerdo (1969). Para além disso, publicou vários volumes de contos, escritos em colaboração com Jorge Luis Borges, sob os pseudónimos de H. Bustos Domecq e B. Suárez Lynch. Algumas das suas obras foram adaptadas ao cinema, à televisão ou ao teatro, nomeadamente A Invenção de Morel. Em 1990, recebeu o Prémio Cervantes e o Prémio Alfonso Reyes.