Dada

História de uma Subversão

Henri Béhar e Michel Carassou

  • €17.91

O futurismo morreu. De quê? De DADA. Uma jovem suicida-se. Por causa de quê? De DADA. Pisam-te os pés. É DADA. Se tens ideias sérias acerca da vida, se fazes descobertas artísticas e se, de repente, a tua cabeça começa a crepitar de riso, se achas todas as tuas ideias inúteis e ridículas, fica sabendo que É DADA QUE COMEÇA A FALAR-TE.


Durante a carnificina da Primeira Guerra Mundial, um vento de revolta soprava na Europa. De Zurique a Paris, a febre dadaísta contagiava artistas revolucionários e desafiava a complacência do mundo burguês, denunciando a (des)ordem reinante como uma sufocante farsa. Tristan Tzara e Hugo Ball, em Zurique, Marcel Duchamp e Man Ray, em Nova Iorque, e Kurt Schwitters, em Hanôver, entre tantos outros, faziam tábua rasa de todos os poderes que impediam a liberdade de expressão e de criação, em nome de uma antiarte niilista de protesto e de uma vital espontaneidade. Sem dogmas nem discípulos, o dadaísmo recorria ao escândalo, multiplicavam-se as exposições e as soirées no Cabaret Voltaire, que encolerizavam o público, e os manifestos que conservam ainda hoje o seu tom corrosivo. Obra crítica e de reflexão, Dada – História de Uma Subversão traça a génese e as coordenadas da aventura dadaísta, a expressão artística mais pura e violenta do século xx.

  • TRADUÇÃO José Miranda Justo
  • 1.ª EDIÇÃO 2015
  • Páginas 272
  • ISBN 978-972-608-268-2