Discurso Sobre a Servidão Voluntária

Etienne de la Boétie

  • €10.80

Quem era La Boétie e que pretendia ele? O que constitui a «eternidade» deste Discurso, a sua intensidade de cometa cruzando os séculos, é o facto de esta análise não ser «de tempo nenhum» sendo como é «de todos os tempos» — desde que existe o poder do Estado.

Como Maquiavel, a quem se opõe menos do que parece, La Boétie atinge os segredos políticos dos séculos vindouros (Spinoza, Locke, Rousseau), fazendo-o porém com uma maior lucidez, que o leva a recusar qualquer visão ideal das relações entre o Estado e o cidadão. Além disso o Discurso extravasa dos moldes duma leitura política tradicional. O repetido fascínio que exerce provém de igualmente lançar os fundamentos dum estudo das relações entre o domínio e a servidão nas relações íntimas, interpessoais. O tirano não se reduz a uma categoria política, é também uma categoria mental, ou até «metafísica». Esta relação entre domínio e servidão não se trava somente na sociedade constituída, trava-se também no âmago da consciência. Deste Discurso não extraímos uma simples lição política, extraímos igualmente uma lição ética, moral, como um apelo a rejeitar das nossas próprias entranhas a figura ameaçadora, e cruel, e adorada, do tirano.

Séverine Auffret

 

Hino à liberdade composto em 1563, este discurso e a sua intensidade de cometa cruzando os séculos revelam como o poder da autoridade assenta na obediência consentida dos oprimidos. Uma leitura essencial em tempos em que os próprios homens aprovam o poder de poucos sobre muitos.

  • TRADUÇÃO E PREFÁCIO Manuel João Gomes
  • 4.ª Edição 2020
  • Páginas 94
  • ISBN 972-608-013-8